Foto Reprodução: Getty Image

Enfim, o título. Depois de bater na trave nas duas primeiras etapas do Circuito Mundial, quando caiu na decisão, Gabriel Medina enfileirou vitórias e conquistou o troféu da etapa de Narrabeen, na Austrália. O brasileiro derrotou o americano Conner Coffin na final e garantiu o triunfo na disputa, que invadiu a madrugada desta terça-feira (horário de Brasília). E por pouco o Brasil não teve uma dobradinha. Entre as mulheres, Tatiana Weston-Webb perdeu na final para a americana Caroline Marks e ficou com o vice.

Com a vitória, Medina reforça o salto para a liderança no ranking. O bicampeão mundial já havia garantido o topo da lista ao se classificar para as quartas de final. Nesta segunda, passou por Morgan Cibilic e Frederico Morais até chegar à decisão. O maior show, porém, foi justamente na final. Com dois aéreos, ignorou qualquer chance de queda diante de Coffin.

  • Eu me sinto muito bem, ainda bem que as ondas apareceram na final – disse Medina, que dedicou a vitória à mulher, Yasmin Brunet.

Em sua final, Tati começou bem, mas não conseguiu reagir depois que Caroline Marks encaixou uma boa onda. O segundo lugar, porém, é o melhor resultado da brasileira na temporada. Antes, havia terminado em terceiro lugar em Pipeline e em nono em Newcastle antes do título em Narrabeen. Agora, a brasileira vai tentar manter a boa forma em Margaret River, a partir do dia 2 de maio, na terceira das quatro etapas da perna australiana.

As finais em Narrabeen

Durante todo o dia, Medina não teve pressa. Na decisão, Coffin tentou pressionar o brasileiro no início da bateria com a primeira nota mediana da bateria, um 5,33. Mas o brasileiro pouco se importou. Em sua primeira boa onda, brilhou com um aéreo e arrancou um 9,27 dos juízes. O bicampeão mundial, no entanto, quis mais. Pouco depois, foi além com mais um aéreo e somou 9,50, na maior nota do campeonato. O americano não teve mais como reagir. Medina ainda somou mais um 8,67. Nem precisava: a festa brasileira já estava garantida. No fim, vitória por 18,77 a 14,10.

Na decisão contra Caroline Marks, Tati começou agressiva. Logo de cara, somou duas ondas que a levaram à liderança, com 6,67 e 4,67. A 20 minutos do fim da bateria, a americana tentou reagir. Conseguiu uma boa sequência de quatro manobras e arrancou 7,27 dos juízes, pressionando a brasileira na liderança. Na sequência, Caroline somou mais 4,93 e virou a disputa, com 11,34 no somatório. Tati buscou a onda de recuperação, mas pareceu sentir o peso da ansiedade. A brasileira ainda tentou, mas não conseguiu reverter o resultado: 12,57 x 11,37 para a americana.

O caminho até as finais

O dia começou com as mulheres na água. Tatiana Weston-Webb foi ao mar na segunda bateria da manhã. Até largou atrás da australiana Sally Fitzgibbons. Não demorou, porém, para que a brasileira tomasse a dianteira com duas boas ondas em sequência. A rival tentou algumas manobras na reta final, mas não conseguiu um somatório suficiente para desbancar Tati: 11,90 contra 10,40. Além dela, Carissa Moore, Caroline Marks e Courtney Conlogue.

Gabriel Medina foi à água na segunda bateria das quartas e não demorou a buscar suas primeiras ondas. Conseguiu um 5,83 e pulou para a dianteira. Cibilic, por sua vez, ficou à espera. E valeu a pena. Em uma das melhores ondas da etapa, o australiano conseguiu um belo tubo, somou mais algumas manobras e arrancou 8,67 dos juízes.

O tempo foi passando – e as ondas não vinham. Mas, em uma secundária, Medina conseguiu arrancar três boas manobras, o suficiente para tomar de volta a dianteira. Cibilic respondeu da mesma forma, conseguindo tomar a frente com uma nota 4,00. Só que Medina ainda estava no páreo. Com um bom aéreo, conseguiu a virada a menos de três minutos do fim, com 6,27. O brasileiro, porém, não ficou satisfeito. Em sua última onda, arrancou 9,30 dos juízes e garantiu a classificação: 15,97 contra 12,67. De quebra, repetiu o resultado das quartas em Newcastle, quando também bateu Cibilic.

Na última bateria das quartas de final, Yago Dora não conseguiu superar o americano Griffin Colapinto. O brasileiro até saiu na frente, mas viu o rival conseguir um 8,5 e pular para a dianteira da série. Dora tentou a reação ao arrancar um 7,0 dos juízes. Mas as ondas sumiram, e o brasileiro não conseguiu buscar a diferença, caindo nas quartas de final.

Medina e Tati avançam à final

Na primeira semifinal feminina, Tatiana Weston-Webb brilhou. A brasileira não tomou conhecimento da havaiana Carissa Moore, atual campeã mundial e líder do ranking, para avançar à final da disputa. Tati conseguiu duas belas ondas, com um belo tubo e uma sequência de manobras, e despachou a rival rumo à decisão: 13,90 contra 10,80.

Pouco depois, entre os homens, Frederico Morais tentou pressionar Medina no início da bateria. Com manobras verticais, somou 9,67 em suas duas primeiras ondas. O brasileiro somou notas parecidas, com uma diferença baixa – 9,64 no somatório. Durante boa parte da disputa, Medina buscou uma onda que o levasse à dianteira. Tanto tentou que conseguiu: conseguiu uma nota 5,70 e tomou a frente com 10,87 de pontuação a dez minutos do fim.

Na reta final, Medina aumentou a diferença e até tentou algumas manobras mais complicadas. Frederico Morais ficou com a prioridade durante boa parte do tempo, mas não conseguiu encontrar nenhuma onda que o levasse à liderança. No fim, 12,50 contra 11,70 e vaga na decisão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui